Eventos Feministas

15 maio 2012

Marcha das Vadias: A culpa não é minha!

 Você sai com um vestido curto e passam a mão na sua bunda. Você conta para um amigo que diz: "mas também, né, com uma roupa dessas".

 Como assim? Nunca aconteceu com você? Aposto que sim. E é por isso que acredito que ir na Marcha das Vadias, que acontece dia 26 de junho em São Paulo é uma boa ideia. 

 A causa: acabar com essa história de que mulher estuprada (sim, o assunto é seríssimo!) provocou isso. E, claro, com essas historinhas mais simples que acontecem todos os dias. Com todo mundo.

 E por que vadia? O termo vem do inglês, de slut, mas serve muito bem. Afinal, mulher que se veste como quer, transa com quem quer, é chamada de que? Hein?

 A Slut Walk começou a se desenrolar em Toronto, no Canadá. Em uma universidade, um policial dava uma palestra sobre segurança no campus universitário e argumentou que as estudantes deveriam evitar se vestir como vagabundas (daí vem o termo sluts) para não se tornarem alvo fácil de estupros.

Ou seja, em vez de o agente da polícia se dirigir ao/à criminoso/a, passou a mensagem de que, se se vestir de forma “provocante”, a vítima é culpada dos crimes sexuais a que é sujeita. Obviamente, as mulheres são desrespeitadas e agredidas sexualmente todos os dias, mas a culpa não é da roupa, nem dos saltos altos. A culpa é sim do machismo que ainda existe na nossa sociedade. Aliás, é do conhecimento público que, em alguns casos jurídicos, a forma de vestir e de comportar das vítimas serviram, muitas vezes, de atenuante na sentença de alguns criminosos.

 Diante de uma declaração infeliz como esta, as estudantes decidiram protestar. E com razão! Ou será que é normal sofrer uma trágica e forçada agressão ao nosso corpo e mente e ainda assim nos sentirmos culpadas? Não restam dúvidas de que estupro é um medo presente na mente das mulheres e o distúrbio mental vem da parte do agressor. E não das nossas peças de roupas! Sim, vamos continuar nos vestindo do jeito que quisermos. Sempre.
 E desde então, foram organizadas manifestações em vários países, no sentido de chamar à atenção para a violência sexual contra as mulheres.
 O Movimento já chegou ao México, com a 'Marcha das vagabundas', onde algumas das principais mensagens eram “Nem putas, nem santas, somos mulheres!” e “Não, significa não!”. Também já chegou a Sydney e ao Brasil, com a “Marcha das Vadias”, a "Marcha das Vagabundas", ou a "Marcha Anti-Machismo" .
"No Brasil, marchamos porque aproximadamente 15 mil mulheres são estupradas por ano, e mesmo assim nossa sociedade acha graça quando um humorista faz piada sobre estupro, chegando ao cúmulo de dizer que homens que estupram mulheres feias não merecem cadeia, mas um abraço; Marchamos porque nos colocam rebolativas e caladas como mero pano de fundo em programas de TV nas tardes de domingo e utilizam nossa imagem semi-nua para vender cerveja, vendendo a nós mesmas como mero objeto de prazer e consumo dos homens; Marchamos porque vivemos em uma cultura patriarcal que aciona diversos dispositivos para reprimir a sexualidade da mulher, nos dividindo em “santas” e “putas”, e muitas mulheres que denunciam estupro são acusadas de terem procurado a violência pela forma como se comportam ou pela forma como estavam vestidas."


0 Leitor@s:

Ocorreu um erro neste gadget