Eventos Feministas

20 outubro 2010

Hiper-Realismo da Solidão

(Eu acredito que são os artistas que traduzem melhor nosso tempo. E esse é realmente incrível, estou encantada!Vejam por quê.)

Todos os dias, a mídia em geral, divulga os retratos da vida perfeita de seus protagonistas, as celebridades. As festas fabulosas, as roupas que todos nós gostaríamos de ter mas não podemos pagar.

O norte-americano Terry Rogers desconstrói esse mundo de luxo e prazer através de uma representação hiper-realista e dinâmica de figuras, corpos e cenários, em telas de grande dimensão.

 E se as personagens presentes na pintura não poderiam parecer mais reais, há simultaneamente um apelo ao subconsciente que invade sua arte: suas composições não são documentais.
São ficções cuidadosamente construídas,em que o jogo de corpos, poses e expressões não são deixadas ao acaso.
A sociedade atual é o protagonista dos quadros de Terry, e a "promiscuidade" emerge como tentativa desesperada – e falhada- de estabelecer contatos, relações com o mundo exterior, ilustrando a profunda solidão de nossos tempos.É uma geração que "não tem medo de mostrar o corpo, porque não sabe como expressar seu interior".
Assim, o desejo encontra-se em permanente tensão com o estado de solidão dos personagens vividos.
Nas suas pinturas,não há olhares cruzados, não há sequer um contato físico. Cada um isolado no seu próprio mundo,tentando encontrar um ponto de referência na realidade,um equilíbrio no seu desejo de se conectar ao exterior.
Imagens falam mais que mil palavras.Já que essa é a nossa Era...
Abraço virtual nocêis...

0 Leitor@s:

Ocorreu um erro neste gadget