Eventos Feministas

30 julho 2010

♕Quem atrapalha mais o progresso da mulher na carreira? Marido ou filho?


Uma reportagem da Folha de São Paulo citava dados do IBGE, que serviu para eu esclarecer(ao menos para mim mesma) uma dúvida que sempre tive:
Quem atrapalha mais o progresso da mulher no mercado de trabalho, os filhos, ou o marido?




 Porque nunca me agradou esta história de culpar os filhos pelo fracasso ou pela falta de sucesso em nossas carreiras.
 Não que necessariamente alguém -além de nós mesmas- sejamos culpadas, mas sempre pensei sobre quem dificulta mais.

 E segundo dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) do IBGE de 2003, a porcentagem de mulheres solteiras E com filhos trabalhando era de 70%.

 Essa proporção é superior à verificada entre as brasileiras casadas com um homem que assume a função de chefe de família. Se há filhos no casamento, a taxa de atividade da mulher fica em 58%. Sem filhos, chega a 61%

  Detalhe:Além de terem mais presença no mercado de trabalho, as mulheres solteiras ou que assumem a posição de chefe de família também conseguem, em todas as classes sociais, uma renda média superior à verificada entre as que são casadas. (Surpresa?)

 Esta notícia é para enterrar de vez a ilusão do casamento perfeito com o príncipe encantado: casar faz mal para o bolso feminino. E não adianta jogar toda a culpa nos filhos.
 São mesmo os maridos que mais atrapalham a inserção da mulher no mercado de trabalho

  Além disso, mesmo em tempos de igualdade entre os sexos, a divisão das tarefas domésticas ainda sobrecarrega (adivinha quem?)as mulheres.

  Os dados indicam que o tempo que as mulheres têm para trabalhar fora varia bastante de acordo com sua condição no casamento. Se são chefes de família, a média é de 40 horas. Quando cônjuges, ele cai para 36,4 horas, se não há filhos,  34,6 horas, se há 34h.

  Entre os homens, no entanto, a alteração é mínima. Quando são chefes, a média de horas semanais é de 46,7 (sem filhos) ou de 47,8 horas (com). Se não chefiam a família, essas médias caem, respectivamente, para 45,6 e 47,2.

 A mulher lutou para mudar a ordem das coisas e foi trabalhar fora. 
 O homem está "sendo convidado' a trabalhar dentro, mas isso nunca foi uma demanda sua.  


 Isso gera um conflito danado e, curiosamente, ele está acontecendo principalmente nessas famílias pós-modernas, onde existe uma promessa de igualdade.
 Na família tradicional, a divisão ainda é muito clara e há menos conflito: ele trabalha fora enquanto ela cuida da casa".

 A crise gerada por esse conflito leva muitos casais a um sentimento de frustração por não terem conseguido realizar um ideal de felicidade.

6 motivos para a mulher casar (Maitena)
 A frustração traz a perspectiva de ter e, quando não temos, isso gera mágoa, ressentimento, raiva. O que está acontecendo é que prometeram à mulher igualdade, ascensão social e divisão das tarefas domésticas.

 Se ela está trabalhando fora, alguém tem que ajudar a trabalhar dentro, mas isso é algo que OS HOMENS NÃO QUEREM.

 Não estou com isto insinuando que não devemos nos casar (eu não tenho como voltar atrás, já casei!),mas é preciso rever certos valores...ou educar com outra mentalidade nossos filhos -sejam eles homens, ou mulheres!

 Ou então...devemos virar SUPER MULHEres.


 Abraço!



2 Leitor@s:

Hemmely disse...

Exato .. há muitos maridos que atrapalham de certa forma, mas isso depende da educação de cada um.
Hj há varios maridos que se preocupam com os afazeres domesticos e divisão de tarefas "dentro e fora" .. é a modernidade do relacionamento, apesar de raro mas existe.

Macaco Pipi disse...

A FALTA DE VONTADE :)

Ocorreu um erro neste gadget